O ex-senador maranhense Edison Lobão (MDB) é apenas um dos mais de 40 políticos que vão perder o foro privilegiado a partir de fevereiro de 2019 e vão ter que enfrentar a migração de processos judiciais para instâncias inferiores.

Com a migração para a Justiça comum, as chances de Lobão ser preso aumentam, já que o processo contra políticos sem foro é o mesmo enfrentado por qualquer cidadão e não são mais necessárias autorizações do Parlamento, como explicaram advogados criminalistas e constitucionalistas ao repórter Vitor Brown, da Jovem Pan.

Lobão responde a seis inquéritos na Lava Jato ou em desdobramentos da operação. O emedebista é investigado por esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos da Petrobras.

Ele é ainda alvo de investigação que apura corrupção passiva e lavagem de dinheiro relacionado a recebimento de R$ 10 milhões em propina na construção da hidrelétrica de Belo Monte quando ocupava o cargo de ministro de Minas e Energia.

Quem também está no rol dos políticos enfraquecidos sem o foro privilegiado é o ex-presidente Michel Temer, correligionário de Lobão e aliado fiel de José Sarney, com três denúncias nas costas.

Informações Blog do Gilberto Lima

https://www.portalcn1.com.br/wp-content/uploads/2019/01/01-1.jpghttps://www.portalcn1.com.br/wp-content/uploads/2019/01/01-1-150x150.jpgPortal de Notícias CN1MaranhãoMaranhãoO ex-senador maranhense Edison Lobão (MDB) é apenas um dos mais de 40 políticos que vão perder o foro privilegiado a partir de fevereiro de 2019 e vão ter que enfrentar a migração de processos judiciais para instâncias inferiores. Com a migração para a Justiça comum, as chances de Lobão...Portal de Notícias CN1
slp6p5

jku7bl