Morreu o bebê da argentina de 11 anos que foi estuprada pelo avô e submetida a uma cesárea sem consentimento. A criança, que nasceu no fim de fevereiro, veio a óbito nesta sexta-feira (8/3), devido a uma complicação respiratória grave, segundo a Folha de São Paulo.

O caso da menina teve grande repercussão no país, pouco antes da Lei do Aborto voltar a ser debatida no parlamento argentino após ser rejeitada no ano passado.

A garota foi estuprada pelo marido de sua avó, e graças a um pedido de sua mãe tinha conseguido permissão para abortar. A lei argentina prevê o direito ao procedimento em casos de estupro, risco de morte da mãe e má-formação do feto.

No dia 27 de fevereiro, data em que o aborto estava agendado, os médicos se recusaram a realizar o procedimento e deixaram o local. A médica que assumiu o caso, Cecília Ousset, realizou uma cesárea por conta própria, sem informar a mãe da menina. Ela disse que “algo deveria ser feito, pois a menina apresentava sintomas de pré-eclâmpsia e não teria como continuar com a gravidez”.

Os médicos que se recusaram a participar do procedimento disseram que devido a uma demora de três semanas para a Justiça liberar o aborto a gravidez estava avançada e a operação seria de alto risco.

Metrópoles

https://www.portalcn1.com.br/wp-content/uploads/2019/03/04-19.jpghttps://www.portalcn1.com.br/wp-content/uploads/2019/03/04-19-150x150.jpgPortal de Notícias CN1GeralInternacionaisMorreu o bebê da argentina de 11 anos que foi estuprada pelo avô e submetida a uma cesárea sem consentimento. A criança, que nasceu no fim de fevereiro, veio a óbito nesta sexta-feira (8/3), devido a uma complicação respiratória grave, segundo a Folha de São Paulo. O caso da menina...
slp6p5

jku7bl